Janeiro 13 2010

 

 

                "A Fome Fechamos os olhos, encolhemos os ombros, viramos a página quando nos deparamos com tais acusações a nós mesmos.

Sorrimos para quem está ao nosso lado, dizemos que é triste e que sentimos pena por não fazerem nada, chamamos de imbecis os que pouco fazem, mas se calhar quem não faz somos nós próprios.
 Dizemos que é um problema do estado… Enfim, esvaziamos a mente para que não nos dilacere com a nossa culpa. Todos os dias se vêem as estrelas, pelo menos sabemos que estão lá, e sorrimos, contemplamos essa beleza de contornos indefinidos, infinitos…
 São milhares de milhões que brilham incessantemente, são muitas mesmo. E cada uma esconde uma história semelhante de vida e de morte. Sim, morte, claro. Mas não a mesma que o destino deu para as crianças que sucumbem diariamente, vítimas de fome, tolhidas pelo desespero, desamparadas, abandonadas à sua sorte, condenadas a viver sem brilho nos olhos, sem sorriso nos lábios, sem desejo de olhar para cima e descobrir a beleza que se lhes depara.
 Estas crianças inocentes que querem apenas uma oportunidade para serem iguais a tantas outras. Não são a doença, são sim vítimas de uma doença à escala mundial, que tem cura, mas que não se cura por “nossa” causa. Uma causa, culpa, que pode ser adjectivada pelo egoísmo de cada um de nós e dos interesses economicistas que divagam o mundo, e que se mascaram… e mascaram a sua responsabilidade de forma hilariante, pois apenas agem para silenciar os alguns e fortes revoltosos que crepitam à sua volta desses poderosos, tentando manter viva a chama da esperança para aqueles que nasceram sem ela…
São apenas palavras escritas, talvez o melhor fosse apagá-las desta folha de papel, pois não têm força para mudar nada... Ou daí talvez não… Lembrei-me de largar esta folha ao vento através deste Hi5.
 Deixá-la percorrer o mundo, para que cada um de nós a pudesse ler, sentir, tocá-la num acto simbólico que vincasse a vontade de mudar o corrente ao rio que carrega as lágrimas de tantas crianças em desespero.
Talvez assim, mesmo amarrotada, envelhecida, vincada pela minha compaixão, marcada com a minha revolta, esta folha possa um dia chegar às mãos de um desses intitulados Senhores do poder mundial, para que esta marcha não seja apenas uma estrela a brilhar só para alguns…
 Com a ajuda de todos estas palavras, serão levadas pelo vento e quem sabe não serão lidas pelos intitulados senhores do mundo. Certa Vez ouvi falar, que o mundo tinha fome que crianças estavam a morrer, que barrigas roncavam sem parar, e nada se podia fazer.
 Descobri uma verdade, a mentira dos hipócritas, de vocês que detém o poder, políticos e religiosos da falsidade, um dia vocês irão sofrer. Somente sobras e esmolas vocês estão a semear fazem isso de aparência, vocês não tem consciência e jamais saberão o que é partilhar Um dia o vento muda, pode levar o tempo que for, terão que pagar a ALGUÉM e sentirão na sua pele, a verdadeira Fome que o Mundo tem.
 O mundo está perdido! Tantas mortes e destruição. Tantos estragos e poluição. Tanta gente de fome morrendo. Tantos animais extinguindo-se e desaparecendo. Tanta gente rica que não reparte com ninguém. Tantos problemas que os governos têm. Tantas guerras arrasando nações. Tantos acidentes, tantas explosões. Tantas pessoas analfabetas, tantas sem onde morar. Tantos adoecendo, sem remédio para se tratar. O ser humano perdeu a razão. Se afogou na própria ambição."
 Por Favor, copiem e repassem.
Todos juntos podemos fazer a diferença.
Assinado: Lado negro
 
publicado por lado-negro às 10:57
Tags:

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Todos por uma causa...

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO